Tomatina: cidade na Espanha promove tradicional guerra de tomates pela primeira vez desde...

De acordo com os organizadores, a edição desta quarta-feira atraiu cerca de 15 mil turistas e contou com 130 toneladas de tomates maduros.


Muitos dos participantes usaram óculos escuros, de natação ou mergulho, para evitar tomates caindo diretamente nos olhos. (Foto: Reprodução)


Uma festa tradicional da cidade espanhola de Buñol, no leste do país, conhecida como Tomatina voltou a ser promovida após ficar suspensa por dois anos devido à pandemia. O evento consiste numa guerra de tomates, com os participantes arremessando os frutos uns nos outros. De acordo com os organizadores, a edição desta quarta-feira atraiu cerca de 15 mil turistas e contou com 130 toneladas de tomates maduros.

— Queríamos muito retomar nossa amada festa, poder jogar tomates uns nos outros e liberar toda a adrenalina que acumulamos nestes dois anos — explicou María Vallés, conselheira de Turismo desta cidade de 9,5 mil habitantes.


A batalha dura uma hora, seguida de uma festa que vai noite adentro e atrai gente de todo o mundo, mas neste ano não houve lotação e os 20 mil ingressos disponíveis não foram totalmente vendidos, algo que Vallés atribuiu às restrições devido ao coronavírus que ainda prevalece em alguns países.


Muitos dos participantes usaram óculos escuros, de natação ou mergulho, para evitar tomates caindo diretamente nos olhos enquanto os frutos eram descarregados por caminhões que passavam pelas ruas ou jogados diretamente nas pessoas de cima dos veículos.


— Vamos para a Tomatina porque é a coisa mais louca que vimos aqui — disse o turista mexicano Patricio à televisão local A Punt.


A origem do evento remonta a uma briga (de verdade) que ocorreu numa festa de 1945, que terminou com pessoas jogando tomates de um verdureiro. Desde então, a população da cidade continua fazendo a luta, ainda que, inicialmente, as autoridades não tenham visto essa prática com bons olhos.


Até hoje, não faltam críticas de quem considera a Tomatina um desperdício de comida, do qual a conselheira Vallés se defendeu.


— Muita gente pensa que comida é jogada fora — disse Vallés à rádio RNE, explicando que os tomates são plantados com este propósito. — Se a Tomatina não fosse feita, nem seriam plantados. Graças à Tomatina, muitos agricultores terão um inverno melhor.


Por: O Globo



0 visualização0 comentário