FAB deve instaurar processo administrativo para apurar caso de abuso em escola cívico-militar na PB

Suspeito teria abusado sexualmente uma menina de 11 anos. Ele foi preso e liberado após audiência de custódia, na quarta-feira (31).


Escola Municipal Cívico-Militar Maria José de Miranda Burity, em Cabedelo — Foto: Secretaria de Educação de Cabedelo/Divulgação


A Força Aérea Brasileira (FAB) deve instaurar um processo administrado para apurar o caso de abuso sexual contra uma criança de 11 anos na Escola Municipal Cívico-Militar Maria José de Miranda Burity, em Cabedelo, na Grande João Pessoa. O suspeito foi preso na terça-feira (30) e liberado após audiência de custódia na quarta (31).


O suspeito foi identificado como sub-oficial da Aeronáutica e trabalhava há 1 mês como monitor na Escola Municipal Cívico-Militar Maria José de Miranda Burity. De acordo com o Conselho Tutelar de Cabedelo, a criança denunciou que estava em uma sala da escola sozinha, quando o monitor entrou no local e ficou elogiando e tocando o corpo da menina. O suspeito nega as acusações.


Após a denúncia, o Conselho Tutelar de Cabedelo foi acionado e acompanhou a mãe da criança, a vítima e o suspeito, até à Delegacia da Mulher, em João Pessoa.


Em nota, a FAB informou que está acompanhando a elucidação dos fatos, e colaborando com as autoridades responsáveis pela investigação. Acrescentou, ainda, que deve instaurar um processo administrativo para apurar a ocorrência, e que repudia o ocorrido.


"O Comando da Aeronáutica reitera o seu repúdio a condutas que não representam os valores, a dedicação e o trabalho de seus militares em prol do cumprimento de sua missão Institucional", diz a nota.


O diretor da escola, que está no cargo há 12 anos, informou que o suspeito já foi exonerado e não voltará a trabalhar na instituição, que funciona normalmente com as atividades.


Por: g1 PB

0 visualização0 comentário