Diretor do Vasco revela jogadores agredidos e drama

O diretor esportivo do Vasco, Paulo Bracks, revelou que jogadores da equipe carioca foram agredidos após a confusão na partida contra o Sport, ocorrida na Ilha do Retiro na tarde deste domingo (16) e válida pela Série B do Campeonato Brasileiro.


Em um vídeo divulgado à imprensa ainda dentro do vestiário, o dirigente revelou que os funcionários do clube chegaram a ficar presos e "em uma situação constrangedora e perigosa" —o elenco conseguiu deixar o estádio há pouco.


"Estamos presos dentro do vestiário da Ilha do Retiro em uma situação constrangedora e perigosa. O vestiário tem duas portas: uma está quebrada com nossos baús segurando a porta. Houve tentativa de invasão ao vestiário", iniciou Bracks.


"A gente teve profissionais nossos, atletas e pessoas do estafe, agredidos após o término da partida", prosseguiu o diretor.


Na sequência, Bracks deu detalhes da decisão de Raphael Claus, árbitro da partida, de suspender a partida com quatro minutos a serem disputados.


"O árbitro nos convocou para uma reunião, ao lado de representantes do time mandante e da Polícia Militar. Por falta de segurança para prosseguimento da partida, o árbitro deu o jogo por encerrado. Foi uma decisão sensata para que evitasse uma tragédia maior. O resultado de campo foi mantido e a partida encerrada", finalizou.

Vídeo relacionado: Torcida do Vasco perde a paciência com time e hostiliza jogadores em São Januário.



A parte final de Sport x Vasco, jogo válido pela Série B do Campeonato Brasileiro e ocorrido na tarde de hoje, ficou marcada por uma grande confusão dentro da Ilha do Retiro, palco do duelo.

O tumulto começou aos 48 minutos do 2° tempo, logo após Raniel, da equipe visitante, marcar de pênalti e igualar o marcador em 1 a 1.


Na comemoração do empate, jogadores do Vasco correram em direção aos torcedores do Sport Raniel, inclusive, chegou a colocar as mãos no ouvido como forma de provocação.


Irritados, alguns presentes no estádio pernambucano passaram a arremessar objetos em direção aos atletas vascaínos.


Pouco tempo depois, um dos portões da Ilha do Retiro foi derrubado e houve uma grande invasão de campo neste momento, um invasor foi flagrado agredindo dois bombeiros civis: um homem e uma mulher.


O árbitro Raphael Claus, diante da confusão, paralisou a partida. Quase uma hora depois, o juiz optou por não continuar o duelo, que está, a partir de agora, suspenso com o placar de 1 a 1.


Por: SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS).

0 visualização0 comentário