19 de setembro: a surpreendente coincidência de datas de grandes terremotos no México

País registrou novo tremor nesta segunda, e muitos mexicanos se surpreenderam por mais uma vez ter ocorrido num 19 de setembro.


Moradores da Cidade do México esperam na rua após um terremoto atingir a costa oeste do país — Foto: REUTERS/Carlos Perez Gallardo


O México registrou nesta segunda-feira (19) mais um terremoto de forte intensidade. Pouco depois das 13h no horário local (15h em Brasília), o tremor de magnitude 7,6 atingiu a costa do Pacífico do país, na região da divisa dos estados de Michoacán e Colima, a uma profundidade de cerca de 15 km.


Imediatamente chamou a atenção de muitos mexicanos nas redes sociais o fato de o abalo ter ocorrido num 19 de setembro, pois o país teve grandes tremores na mesma data nos anos de 2017 e 1985, com 369 e mais de 10 mil mortos, respectivamente.


Inclusive, nesta data, já é feita anualmente uma grande simulação nacional para preparar a população para terremotos e para relembrar o desastre de 1985, o mais letal de todos.


Nesta segunda, também foi assim. O tremor em Michoacán veio pouco mais de uma hora após o exercício de simulação.


Moradores removem destroços de edifício danificado após terremoto atingir a Cidade do México nesta terça-feira, 19 de setembro de 2017 — Foto: Alfredo Estrella/AFP


E em 2017 foi parecido: os cidadãos se mobilizavam em homenagem à memória das vítimas do terremoto de 8,1 graus de magnitude de 1985 quando, duas horas depois, outro tremor de 7,1 os atingiu violentamente.


De repente, a capital mexicana, de mais de 20 milhões de habitantes, revivia o pesadelo de 32 anos antes: edifícios reduzidos a escombros enquanto, pelas ruas, voluntários corriam para encontrar vítimas entre os destroços.


Terremoto atinge o México


"É o mesmo pesadelo de 1985", lamentava Georgina Sánchez em uma conversa com a AFP logo depois do tremor.


A questão é se as autoridades aprenderam as lições desses terremotos. De acordo com muitos engenheiros, investigadores e ativistas ouvidos em 2018 pela agência AFP, não.


Supunha-se que o terremoto de 1985 marcaria "um antes e um depois" na história do México, diz o escritor e jornalista Héctor de Mauleon.


Sismo no México em 2017 aconteceu no mesmo dia em que tremor que devastou o país em 1985 — Foto: Yuri Cortez/AFP


Após a tragédia, a Cidade do México adotou uma estrita lei de construção.


Analistas políticos assinalam, inclusive, que esse tremor, que sobrecarregou as autoridades, contribuiu para a transição de regime de partido único a uma transformação democrática nos 15 anos seguintes.


Em 2017, 38 edifícios caíram, a maioria deles construídos antes de 1985, mas houve casos nos quais foram modificados fora da lei.


"Me dá muita indignação que a cada vez que a Cidade do México treme, parece que treme pela primeira vez", acrescenta De Mauleon.


A organização Mexicanos contra a Corrupção analisou 28 edifícios e encontrou impressionantes evidências de que, como em 1985, a corrupção das construtoras e autoridades que devem regulá-las foram responsáveis pelos desabamentos.


"Os terremotos não matam. A corrupção, sim", diz Salvador Camarena, diretor de investigação da organização.


Além disso, ninguém foi preso pelas mortes causadas: membros de empresas que violaram os códigos de construção, proprietários que fizeram modificações irregulares que afetaram a estrutura, autoridades que se omitiram.


O único engenheiro que foi alvo de uma ordem de captura por um desabamento em 1985, Max Tenenbaum, não só evitou a prisão como continuou o seu negócio. Dois de seus edifícios caíram em 2017 matando 23 pessoas, segundo a Mexicanos contra a Corrupção.


Por: g1


0 visualização0 comentário